domingo, 15 de setembro de 2019

terça-feira, 3 de setembro de 2019

Cinturão FEB

Cinturão de fabricação brasileira no padrão NA (Norte Americano), para munição do rifle M1 garand, original usado pela FEB na campanha da Itália.Tiveram vários fabricantes do cinturão.
(acervo O Resgate FEB)


Expedicionário Geraldo de Curvelo (MG), antes de embarcar para Itália.
Pracinhas com os cinturões na Itália.
Desfile no Rio de Janeiro em 1945.
Sargento da FEB  quando regressou a pátria, sendo entrevisto.


(Fotos tiradas da internet)





segunda-feira, 26 de agosto de 2019

Os pracinhas feridos no Hospital La Garde.

Matéria super interessante sobre os pracinhas feridos e enviados para o Hospital La Garde do exercito americano, localizado em Nova Orleans no Estado de Luisiana, onde vieram do front  italiano os primeiros brasileiros feridos.Tendo os mesmos procedimentos de reabilitação dos americanos.Na Itália rebebem os cuidados dos médicos e enfermeiras da FEB, os feridos graves brasileiros e americanos,  são transportados em navios hospitais para os Estados Unidos para o devidos tratamentos.Logo que os soldados se encontram em condições de poderem sair, recebem passes que lhe permitem sair do posto e ir ao centro da cidade de Nova Orleans.No próprio hospital são organizadas diversões para os veteranos para breve recuperação e reabilitação.
Matéria completa com muitas fotos dos pracinhas em tratamento.
Matéria da revista  americana EM GUARDA, ano 4, numero 6 de 1945.
Acervo O Resgate FEB.
Matéria completa

Fotos raras dos pracinhas no hospital americano.

(clique na foto para ampliar)

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

Antiga flamula.

Antiga flamula em homenagem ao Monumento Nacional aos Mortos na Segunda Guerra Mundial.
(Acervo O Resgate FEB)
(clique na foto para ampliar)

domingo, 11 de agosto de 2019

Edmundo Trench. Combatente da Força Expedicionária Brasileira na Itália


Edmundo Trench. Combatente da Força Expedicionária Brasileira na Itália, Segunda Guerra Mundial. Integrante do 1º Batalhão do 11º Regimento de Infantaria e membro da Companhia de Petrechos Pesados (CPPI), encarregado do uso de metralhadoras pesadas, de calibre ponto 50 e morteiros de 81 milímetros, sob o comando do Coronel de Infantaria Delmiro Pereira de Andrade. 
Nasceu em Avaré, São Paulo, em 06 de fevereiro de 1919. Em 1941, aos 22 anos, após alistamento para o serviço militar, foi convocado pelo Exército Brasileiro e em dezembro do mesmo ano, incorporado ao 3º Batalhão do 4º Regimento de Infantaria, 2ª Divisão do Exército, no Parque D. Pedro II, em São Paulo. 
Antes do embarque para a Itália, com um amigo em São Paulo
Em julho de 1942, esse grupamento teve sua denominação alterada para 38º Batalhão de Caçadores. Em setembro de 1944, foi incorporado à FEB e transferido para o Depósito de Pessoal da mesma, na Vila Militar no Rio de Janeiro, ficando à disposição para o envio à Itália, para integrar-se à 1ª Divisão de Infantaria Expedicionária (1ªDIE), 4º Corpo de Exército Americano, um dos braços do V Exército Americano. 
Com amigos ainda em São Paulo
O embarque ocorreu em 23 de novembro de 1944, no Porto do Rio de Janeiro, no navio-transporte, o transatlântico de guerra USS General M.C. Meigs, comboiado por três belonaves (dois destroyers e um caça-minas) e um dirigível, compondo o 4º escalão do contingente da FEB, com 4.691 homens. 
Com os colegas de combate
Ele esteve seu batismo de fogo em 06 de fevereiro de 1945, dia de seu aniversário. Lutou em Monte Castelo (La Serra) e Montese. Voltou ao Brasil em 17 de setembro de 1945. Foi indicado para receber a medalha de broze (Bronze Star) dos Estados Unidos, mas por motivos até hoje desconhecidos, a honraria nunca foi dada. Foi elogiado pelo comandante por fazer com que a Companhia “tivesse sempre as suas linhas de telefonia em perfeita condição”. "Durante toda a campanha desenvolveu o máximo de esforços para que a Cia. tivesse sempre as suas linhas de telefonia em perfeita condição. Foi superior ao tempo ingrato, venceu o terreno difícil e corajosamente afrontou os bombardeios inimigos. É um verdadeiro soldado!", diz trecho da folha de alterações assinada pelo comandante dele.
De volta à cidade natal, dedicou-se a cuidar do sítio que lhe coube como herança, na Fazenda Água da Onça, em Avaré. Conheceu a esposa, professora Zilda Nogueira de Freitas Trench, com quem se casou em dezembro de 1946. 
Manuseando a ponto 50
Do casamento nasceram Maria Olívia de Freitas Trench Espíndola e Maria Olympia de Freitas Trench Sestari. Teve ainda três netas e quatro bisnetos.
Com os combatentes na Itália
Depois da guerra trabalhou no entreposto da Cagesp, depois Ceagesp, em Avaré, onde se aposentou em cargo de chefia. Não dependeu de proventos nem aposentadoria do Exército. Foi-lhe outorgada a Medalha de Campanha por ter participado de operações de guerra. Faleceu em 13 de junho de 2011 aos 92 anos de idade.
Pierina, uma partigiana da Resistência com quem ele teve um romance nos dias de guerra.
Ficha de alterações com elogios e recomendações de medalha (Bronze Star), a qual nunca chegou..


Fotos de família: com o depoimento de Maria Olívia de Freitas Trench Espíndola, filha do Expedicionário da FEB Edmundo Trench, de Avaré/SP.
O Resgate FEB