segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Cartão postal italiano das festas de fim de ano de 1944

Cartão postal impresso na Itália para ser distribuídos aos soldados da FEB e V Exercito norte americano para as festas de fim de ano de 1944, onde lutaram juntos no front italiano.
(acervo O Resgate FEB)
(clique na foto para ampliar)

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Museu de Iola de Montese - Museu Memórias da Itália


Instalado no prédio do século XVII ao lado da igreja de Santa Maria Madalena, um rico museu com uma superfície de 600 metros quadrados subdivididos em 16 salas temáticas, que permitem uma imersão na antiga cultura da montanha por meio da reconstrução de ambientes domésticos e artesanais.
Objetos, documentos e testemunhas relatam sua história ao longo dos séculos até a Segunda guerra mundial, à qual é dedicada uma rica seção distribuída em quatro salas, onde estão expostas inúmeras peças bélicas e objetos militares referentes ao período da guerra na Linha Gótica.
São vistas armas, fardas e objetos de uso diário pertencentes aos soldados da Wehrmacht,  brasileiros da Força Expedicionária Brasileira (FEB) e norte-americanos da 10a Divisão de Montanha.

Fachada do Museu de Iola de Montese
 Condecorações do exército alemão
 Metralhadora MG 34 e MG 42 do exército alemão
 Fardas e objetos pessoais dos soldados brasileiros da F.E.B.
Os objetos que pertenceram a Mussolini e acima os pertences pessoais de um oficial da Real Força Aérea Italiana
 Badges do período da República Social Italiana.
 Especificações dos uniformes americanos
 Médico e enfermeira norte-americano
Equipamentos americanos
 Condecorações e equipamento pessoal da Luftwaffe
(clique na foto para ampliar)

Pesquisa: Copyright © 2014-2016 Cidade de Montese.Todos os direitos reservados.
O Resgate FEB


segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Recordação de um pracinha

Fotografia de recordação de um expedicionário Waldomiro para um amigo, Itália 1945.
(acervo O Resgate FEB)
(clique ma foto para ampliar)

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Museu da FEB em Pistoia


No pequeno museu encontramos documentos e objetos originais como, cartas, postais, fotos, capacetes, armas e uniformes.Veja algumas fotos do Museu da FEB em Pistoia.
Mario (foto) é filho de Miguel Pereira, um veterano da FEB que cuidou do local quando ainda continha os corpos dos soldados.Ele tomou conta do cemitério até o seu falecimento e hoje seu filho, que nasceu na Itália, mantêm o Monumento Votivo Militar Brasileiro em Pistoia e organizou todo o acervo do museu.


(clique nas fotos para ampliar)
Pesquisa e fotos:
Site e Museu do Monumento Militar brasileiro na Itália.
Fotos : Minha Saga (Fabio Barbiero)
O Resgate FEB

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

ANVFEB - Jaraguá do SUL

Linda lembrança feita de vidro da ANVFEB seção Jaraguá do Sul (SC) dos 50 anos da participação da FEB na Segunda Guerra.
(acervo O Resgate FEB)
(clique na foto para ampliar)



segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Origem da expressão "dando sopa"

Esse jargão "dando sopa" (Estar vulnerável, disponível, alheio a situação)  saiu da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na Segunda Guerra porque os cozinheiros quando iam distribuir a ração nas trincheiras não podiam entrega-la do lado de fora do buraco porque levava bala na certa. Daí o comandante gritava. Não fica dando sopa ai! esconda - se. Isso virou uma gíria que quer dizer em termos atuais quando alguém está em local onde pode ser atingido ou acidentado - fica dando sopa aí que você leva chumbo! 
Soldado da FEB em um fox hole, abrigo para soldado de infantaria durante a guerra, cavado na região dos Apeninos


Credito: Cesar Campiani Maximiano

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Batismo de fogo do Regimento Sampaio.


A manobra defensiva do Comando do Regimento pela Ordem Geral de Operações nº1, constituiu em manter fortemente a região Torre di Nerone-Áfrico (a grosso modo, entre o Soprassasso e o rio Marano). Guarneceu-o com o Batalhão Syzeno na região Áfrico e com o Batalhão Franklim na torre di Nerone, visando impedir que o inimigo baixasse da crista Aneva-Reno, pelos eixos Áfrico-Marano ou Torre di Nerone-Vaiarana, ameaçando a Rota 64 (Marano-Riola).
Tendo o Regimento Sampaio entrado em linha, em substituição ao 6º R.I., na noite de 21/22 do corrente, foi, foi na noite de 22 para 23 violentamente atacado pelo inimigo, apoiado em denso bombardeio de Artilharia e Morteiros.
Os grupos de choque inimigos, utilizando largamente armas automáticas, investiram na 1ªparte da noite sucessivamente sobre as Cia. Waldir (5ª) e Cia. José Raul (6ª) e depois sobre as 8ª,9ª e 7ª Cias., com fortes tentativas de infiltração, chegando à distancia do combate à granada de mão. (Cias Amadeu,Farah e Arnizaut).
Na 2ª parte da noite o ataque se generalizou na frente do Batalhão Franklim, que teve todas as suas Cias. acometidas fortemente e, ao mesmo tempo, sobre as 5ª e 6ª Cias.(Batalhão Syzeno)
É que as posições brasileiras metiam ai uma cunha, a mais adentrada do IV Corpo, e Torre di Nerone era o único ponto dela de onde se podia ter vistas sobre o interior das linhas alemãs.
A violência do ataque inimigo, apoiado por intenso bombardeio, durante o qual um G.C. da 5ª Cia, foi envolvido, foi valentemente contida pela tropa do Regimento Sampaio que, apesar de ter entrado em fogo pela primeira vez, não desmereceu as tradições de honra dos seus antepassados.
As posições foram integralmente mantidas e o inimigo rechaçado todas as vezes em que investiu, sofrendo graves perdas, como provam os 36 mortos deixados na frente da nossa posição, além de 8 mortos e 20 feridos, carregados pelo inimigo, segundo declaração de refugiados.
A atitude dos valentes oficiais e soldados do Regimento Sampaio que pagaram com sangue e vidas o seu batismo de fogo, enche de orgulho este comando e a todos os brasileiros que, da Pátria distante, acompanham com amor e orgulho patriótico a atuação dos seus irmãos.
O inimigo voltou a carga em 24 e 25, sob terrível bombardeio e com maior intensidade. Um dos seus aviões despejou as primeiras dez bombas sobre as posições audaciosamente(*), sendo de novo energicamente repelido.
Comentou-se que o inimigo experimentara a fôrça dos brasileiros cuja entrada em linha percebera.
NOTA DO EDITOR:(*) Comentário do 3ºSargento Hélio Fernandes Padilha, do Regimento Sampaio, ao ler esta passagem: “Logo em cima de mim!”

FONTE: Do Terço Velho ao Sampaio da F.E.B.
Matéria do blog FORÇA TERRESTRE

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Chaveiro da ANVFEB seção de Rio do Sul

Antigo chaveiro da ANVFEB seção de Rio do Sul (SC) , homenageando  a Força Aérea Brasileira (Senta a Pua) na Segunda Guerra Mundial.
(acervo O Resgate FEB)

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Ração K e a FEB


Fotos interessante dos soldados da FEB durante a Segunda Guerra utilizando a ração tipo K,  foi adotado para uso em 1942, os componentes dos ração K evoluíram ao longo do curso da guerra de oferecer uma maior variedade mantendo ainda a necessidade do tamanho compacto e nutrição equilibrada. Projetados para uso apenas por alguns dias sob condições de combate,  a demandas da guerra significava que os soldados muitas vezes comeram por dias ou semanas. As caixas das primeiras foram de cartolina marrom liso. A embalagem mudou para um conjunto de cores distintas  para tornar mais fácil para os soldados para selecionar rapidamente a refeição: marrom café da manhã,verde para a ceia e azul para o jantar.
(clique na foto para ampliar)

Fotos: US National Archives Archival Recovery Program.(Dennison de Oliveira)
O Resgate FEB




sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Sargento Anélio Silva Araújo, herói da Segunda Guerra


Sargento Anélio Silva Araújo, identidade militar 3G 94060 (CRP- Centro de Recompletamento de Pessoal), nascido em Canoas (RS) em 5 de dezembro de 1921, filho de Matiel Luiz Araújo e Inácia Silva Araújo.Embarcou no dia 8/2 /1945, onde participou das operações de guerra na Itália com a FEB, participou das batalhas e conquista de Monte Castelo, retornando no dia 17/9/1945.Não falava em hipótese nenhuma sobre a guerra onde veio com sequelas de guerra e esteve internado varias vezes em hospitais psiquiátricos. Faleceu no dia 22 de fevereiro de 2014.Alguns itens do expedicionário Anélio que o seu neto Daniel Antônio Brizola doou ao acervo O Resgate FEB para perpetuar sua memória como veterano de guerra da Força Expedicionária Brasileira.

Diploma da Medalha de Campanha da FEB, de 1948.
Braçadeira antiga da AVEFEB  seção Porto Alegre

Sargento Anélio o terceiro da direita antes do embarque no Rio Grande do Sul.


(Clique na foto para ampliar)
O Resgate FEB

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Lata de pó dentifricio (Tooth Powder) Segunda Guerra

Lata de pó dentifrício (Tooth Powder - Dr. Lyons), de fabricação norte americana entregue também para os soldados brasileiros na Segunda Guerra.
(acervo O Resgate FEB)



(clique na foto para ampliar)
Tooth Powder, exposto no Museu Casa da FEB no Rio Janeiro.