sexta-feira, 26 de agosto de 2011

FOGAREIRO USADO PELA F.E.B

clique na foto para ampliar
O fogareiro depois de passar por uma manutenção, limpeza e remoção da ferrugem, peça rara de ser encontrada.
(acervo O Resgate FEB)                                                       
Como parte dos equipamentos de campanha americano usado pela FEB na Segunda Guerra Mundial.Este fogareiro marca Coleman, era de uso individual, porém a utilização não era de um por homem, mas sim aproximadamente um por grupo de soldados.O combustível era, preferencialmente, gasolina branca, e deveria ser verificada a ventilação para a utilização deste.Assim, haveria um uso mais seguro deste equipamento mesmo em ambientes confinados. Este equipamento deve ter sido muito útil aos pracinhas durante todo o rigoroso inverno italiano.  Fogareiro marca Coleman Stove pré-1945, modelo militar, fabricado desde 1941 para as Forças Armadas americanas.Completo com o cápsula em alumínio que se transforma em caneca e panela de pressão.Com os acessórios de época ,agulha para limpeza um bico, três telas e um chave para manutenção do mesmo.
Os militares dos EUA foram os maiores clientes da Coleman. Durante a Segunda Guerra Mundial, suas fabricas fabricaram projéteis para a Marinha e peças para B-17 e bombardeiros B-29. Mas sua contribuição mais valiosa para o esforço de guerra foi o desenvolvimento do Fogão bolso GI, cujas especificações pareciam impossíveis.
O fogão tinha que ser leve, não maiores que uma garrafa térmica, queimar qualquer tipo de combustível, e operarem clima de -55ºC a 51º C. Menos de 60 dias após o trabalho ter começado, a Coleman demonstrou um protótipo funcional. E em novembro de 1942, 5.000 de fogões Coleman entraram em batalha, quando as forças dos EUA invadiram o norte da África.
Os fogões queimam por duas horas com um copo de combustível de um Jeep ou de avião. Eles foram usados em cada campo de batalha na Europa e no Pacífico. Apareceram em tendas, trincheiras e abrigos subterrâneos de bombardeiros.


Uma foto bem rara, provando que o fogareiro foi utilizado pela FEB na Itália.
Foto: US National Archives Archival Recovery Program.(Dennison de Oliveira)

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

DIA DO SOLDADO - Homenagem aos soldados da F.E.B.

Dia 25 de Agosto se comemora o Dia do Soldado. Não apenas nos quartéis, mas no coração do povo brasileiro,faço esta homenagem a todos os soldados da FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA que com heróismo, coragem,competência desenharam a mais bela pagina de nossa história. Dedico aos pracinhas da minha terra querida Curvelo (MG) estes brasileiros intregos que orgulhosamente honraram em terras distantes com suas vidas toda uma nação e o mundo.Tradicionalmente o brasileiro é taxado de ter a memória curta, isso quer dizer que lhe é peculiar o pouco interesse no passado de seu país. Em vários aspectos discordamos dessa posição, contudo existem características no Brasil que nos arremata para esse tipo de pensamento, e uma delas é a FEB. Isso mesmo, a Força Expedicionária Brasileira é um assunto pouco expressado no meio acadêmico, a participação brasileira no conflito mundial de 39 a 45 é um grande território de estudo para as diversas universidades do país,  muito embora o tema seja pouco valorizado, as obras e estudos que têm como área de pesquisa a mobilização, atuação, resultados e desmobilização da Força Expedicionária Brasileira são de pouquíssimos autores em comparação a outros períodos da história brasileira. Nesse cenário, a memória dos que combateram no Teatro de Operações Europeu ficou sob a responsabilidade dos filhos, netos e bisnetos dos ex-combatentes que têm lutado com a mesma garra de seus antepassados para manter viva a honra que esses combatentes conseguiram nos campos de batalha italianos. Nessa “guerra” injusta contra a ignorância histórica, o trabalho se torna mais difícil com o passar dos anos e, quando os ex-combatentes nos deixarem, as Associações estarão fadadas ao esquecimento se não houver um mudança de atitude no trato com a memória desses homens que viram a guerra, e voltaram sob a gloria da vitória para o país, mas também destinados ao abandono do governo que os enviou. 

  Heróis brasileiros filhos de Curvelo
Eurípedes Ribeiro Guimarães
Tenente Pedro Rodrigues praça na Itália.
Hoje aos 89 anos Tenente Pedro Rodrigues.
Tenente Mariano Fernandes da Silva
Tenente Lucerio Ribeiro Guimarães
Tenente Geraldo Ribeiro Guimaães
Tenente José Felix da Rocha.(Bajojo)
Tenente Quirino Henrique de Freitas.
Padioleiro
Tenente Raimundo Olavo.(colete preto)

Texto: " RUI LOPES RIBEIRO – 2º Tenente (dentista) – Filho de Raymundo Lopes Ribeiro e de D. Idalina Cardoso Lopes Ribeiro, nasceu em Curvelo-MG, no dia 08 de fevereiro de 1912. Formado em Odontologia pela Faculdade Nacional de Medicina, onde estava matriculado no 1º ano médico – Faleceu em 15 de abril de 1945 no 16º Hospital de Evacuação, em Pistóia, vítima dos ferimentos recebidos em Montese no dia 14, por ação do inimigo. Deixou viúva Adahyl Bastos Lopes e uma filhinha Adahyl nascida em 11 de março de 1945. O Boletim Interno nº 127, de 10 de maio de 1945, do Regimento Tiradentes, na Itália, publicou o seguinte elogia, em sua 3ª Parte, Item III: “” Atuação destacada dos elementos 1/11º R.I. na jornada de 14 de abril, dia de fausto para os anais do 1/11º R.I., focalizo o nome de todos os oficiais e praças deste Batalhão, pelo patriotismo com que desempenharam as suas missões, ressaltado, no entanto, os nomes abaixo daqueles que julgo, numa primeira visão, merecedores de citações e recomendações: 2º Tenente Dr. RUY LOPES RIBEIRO – morto em ação quando atendia aos feridos do Batalhão nas encostas de Montaurígola. Embora não fosse de sua missão, atendendo ao grande numero de feridos e as dificuldades para prestar rápidos socorros aos mesmos, ofereceu-se espontaneamente ao Chefe do S.,S. para cooperar com os conhecimentos de medicina que possuía. Sem titubear, num destacado gesto de heroísmo, o Tenente Ruy Lopes Ribeiro deu uma demonstração de coragem à toda prova, sucumbindo heroicamente no campo de luta. É com orgulho que o 1º Batalhão reverencia o Tenente Ruy que integra o quadro já números dos que tombaram no campo de batalha, cumprindo nobremente o seu dever. Indicado o seu nome para as altas condecorações de guerra, aproveita este Comando para propor a promoção do Tenente Ruy por atos de bravura. a) Delmiro Pereira de Andrade – Coronel Comandante – Agraciado com as Medalhas de Campnha, Sangue do Brasil e Cruz de Combate de 1ª Classe.”  
  
 A Galeria de Heróis é uma homenagem prestada aos excombatentes curvelanos, pelo  TIRO DE GUERRA 04/029-Curvelo/MG em 25/08/2010. Alusiva ao DIA DA VITÓRIA, foi orgnizada sob a chefia do SUB TENENTE MACENA, em sua inauguração, ocorrida em 06/05/2010 contou com a presença do TENENTE PEDRO RODRIGUES e do TENENTE RAIMUNDO.                                                                                      

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Relatório de Sepultamento - F.E.B

Relatório de Sepultamento um documento infelizmente triste mas necessário em uma guerra.Este relatório  tem todas os meios necessários para identificar um soldado morto em combate independente do estado do seu corpo, como placa de identificação e se corpo não puder ser identificado  tem a carta de impressões digitais e dentária, listas de objetos pessoais encontrado no corpo;e no reverso as instruções para o sepultamento, preparação do corpo, identificação da sepultura para que nenhum soldado fique sem identificação e referência onde foi enterrado para que um dia poder voltar para casa.Este relatório e de um soldado católico cor branca chamado Fernandes Simão, identificação GI- 295805 9ª CIA,6º R.I morto em combate com ferimento a bala em Catorossa-Itália em 14/10/1944 e foi sepultado no cemitério americano de Vada- Itália e posteriormente transferido para o cimetério brasileiro de Pistóia.
(acervo O Resgate FEB)
clique na foto para ampliar
                                                                   

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

FIELD JACKET DE COMBATE M 1943

Belíssima peça de combate a jaqueta M 43 de fabricação americana de 1944. Apesar de não fazer parte do uniforme da FEB mas com aproximação com os americanos do 5º Exercito alguns febianos como os do Deposito de Pessoal e correspondentes de guerra brasileiros usaram está jaqueta.Uma relíquia de guerra, tem as marcas dos combates travados na Itália.( acervo O Resgate FEB)
                                    Correspondentes de guerra brasileiros com as jaquetas M 43
                                    Rubens Braga (1º da esquerda em pé) em 1944 na Itália.           
                                                             (clique na foto para ampliar )

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

OS ADVERSÁRIOS DA F.E.B.

A composição e os armamentos dos alemães que enfrentaram a Força Expedicionária Brasileira na Itália.
Soldados da FEB escoltando prisioneiros alemães.
A FEB enfrentou nove divisões alemãs, ou esteve em contato com elas, durante os meses em que permaneceu na Itália: a 42ª Ligeira, a 232ª de Infantaria, a 84ª de Infantaria, a 114ª Ligeira, a 29ª Motorizada, a 334ª de Infantaria, a 305ª de Infantaria, a 90ª Motorizada e a 148ª de Infantaria. O leitor deve ter observado os “números altos” da maior parte dessas divisões – para o especialista, isso indica que a unidade se formou já no final da guerra, às pressas, com recursos reduzidos e deficiência de tropas aptas. O supremo comandante das tropas alemãs na Itália, o marechal Albert Kesselring, atribuía apenas a 29ª Motorizada (a conhecida “Divisão Falcão”, em alemão, a 29ª Panzer Grenadier Division) o qualificativo de “primeira linha”. Com esta os brasileiros tiveram pouco contato. As demais, em especial a 114ª Ligeira (114ª Jägerdivision), despertavam pouca confiança no alto comando alemão.
Placa afixada na Itália  no exato local onde a FEB aprisionou a 148º divisão alemã.
Três dessas unidades interessam particularmente aos brasileiros, já que participaram dos episódios memoráveis da FEB: a 232ª de Infantaria (a que defendeu Monte Castello), a 148ª de Infantaria (que se rendeu em Fornovo) e a 114ª Ligeira (engajada na batalha de Montese). Com a 232ª, os brasileiros estiveram envolvidos do final de Outubro de 1944 até Fevereiro de 1945 e voltaram ainda a enfrentá-la na fase de perseguição final aos alemães, em Abril de 45, vale a pena vê-la de perto, a partir dos documentos alemães.
Com data de 22 de Junho de 1944, o Alto Comando do Exército alemão ordenou a formação de cinco divisões “presas ao solo” (bodenständige), para emprego na frente ocidental, na defesa de grandes fortificações ou trechos de costa. A ideia por detrás da organização dessas divisões da 27ª onda (em toda a guerra, os alemães tiveram 31 “ondas” de formação de tropas), era criar rapidamente, no máximo em quatro semanas, unidades com reduzido volume de pessoal, para tarefas específicas de defesa que pudessem empregar, portanto, soldados não tão aptos para outras funções na primeira linha de combate.
                                                       
Rendição alemã aos soldados brasileiros na Itália
O efetivo previsto era de 9 mil combatentes, ou seja, uns 1.500 homens a menos que as unidades “normais” da Wehrmacht. Os cortes foram feitos, de preferência, nos serviços de retaguarda e suprimentos. As reduções atingiram pesadamente os sistemas de transporte e logística, que praticamente voltaram aos tempos da Primeira Guerra, empregando sobretudo mulas e cavalos para o transporte do equipamento pesado, em vez de veículos motorizados. Explica-se: para o pessoal de planejamento no Alto Comando em Berlim, já que ficaria “preso ao solo”, esse tipo de divisão não precisaria mesmo de muitos meios de locomoção. No caso da 232ª, assim como de suas quatro irmãs, compreendia três regimentos de infantaria (de números 1043, 1044 e 1045, cada um com dois batalhões), um batalhão de fuzileiros, um regimento de artilharia com quatro batalhões, companhias de pioneiros, estado-maior, reconhecimento e defesa antitanques. Praticamente, cada divisão formada nesse período tinha efetivos diversos, mas os planos oficiais previam para um regimento a força de 1.987 homens, dos quais 268 não-combatentes. Um batalhão de infantaria chegava aos 708 soldados, divididos em quatro companhias leves (ao redor de 140 soldados) e uma pesada (200), por sua vez subdivididas em pelotões com cerca de 30 soldados e seções com oito a dez. Um regimento de artilharia compreendia pouco mais de 2 mil homens.
Em geral, mais importantes que o número de soldados de uma divisão, são seu armamento e seu treinamento, além, é óbvio, do comando. O típico batalhão de infantaria da 232ª (eram dois por regimento) deveria possuir 13 metralhadoras leves e duas pesadas por companhia (eram quatro por batalhão). A companhia pesada (uma por batalhão), disporia de seis metralhadoras pesadas, três leves, seis morteiros leves e quatro pesados (que ainda não tinham sido fornecidos quando se formou a divisão). A metralhadora padrão dos alemães era a MG 34 (MG é a abreviatura de Maschinengewehr, metralhadora), que os pracinhas, por motivos inexplicáveis, apelidaram de “Lurdinha”. Como unidade até certo ponto capaz de operar por si própria, um batalhão deveria dispor ainda de uma companhia com dois canhões antitanque de 7,5 cm (que o soldado alemão conhecia por PAK, ou seja, “Panzerabwehrkanone”), três metralhadoras leves e 36 bazucas. Distribuídas por pioneiros, fuzileiros, etc., entre outras armas, a Divisão deveria possuir 8.598 fuzis, 108 bazucas, 2.013 pistolas, 1.595 submetralhadoras, 13 canhões antiaéreos de 2 cm, 22 lança-chamas e 389 pistolas de luz.
O general Falconière da FEB (direita) na rendição da 148º Divisão de infantaria  alemã.
Com exceção de 300 fuzis de fabricação tcheca, todas as demais armas de posse da 232ª eram de procedência alemã. Ocorre que a falta de armas nos depósitos e almoxarifados da Wehrmacht, obrigou a Divisão a destacar “comandos” para ir buscar seu material diretamente na linha de produção das fábricas. O equipamento era quase sempre do último modelo, mas isso trouxe, paradoxalmente, dificuldades suplementares: sua chegada tardia ao campo de treinamento de Wildflecken não permitiu familiarizar a tropa com seu uso. Mais tarde, em situação de combate, os alemães tiveram suprimentos e reposição de armamentos cortados e dependiam do que conseguissem do inimigo. Em março de 1945, por exemplo, outra unidade, a 114ª Divisão Ligeira, teria uma lista de armas que incluía 101 carabinas polonesas, 197 sérvias, 26 metralhadoras turcas, 32 iugoslavas e 40 italianas, quatro morteiros austríacos e um total de 30 canhões italianos diversos, incluindo antiaéreos.
O General alemão  Otto Fretter rendendo ao General brasileiro Zenóbio.
O Regimento de Artilharia da 232ª deveria dispor de três batalhões leves, cada um com três baterias leves (duas baterias com quatro Feldhaubitze de 105 mm e uma só com três peças) e um batalhão pesado, com três baterias pesadas (cada uma com três canhões de 150 mm). Havia também um número não especificado de canhões antiaéreos de 88 mm, cujo poder de fogo permitia que fossem empregados também como artilharia comum (esta foi, provavelmente, a peça mais famosa que os alemães construíram durante a Segunda Guerra, pois arrasou os tanques ingleses na África). As peças deveriam ser “servidas” por um contingente nutrido também de Hiwis, a abreviação alemã para “Hilfsfreiwillige”, ou seja, “voluntários” e “ajudantes” locais. Seu número possivelmente excedia a duas centenas de homens. O Regimento de Artilharia da 232ª jamais conseguiu contornar dois problemas: munição e transporte. A falta de granadas em número suficiente levou a um severo racionamento. Cada canhão podia disparar no máximo sete tiros por dia. No caso das peças pesadas de 150 mm, o comandante da bateria ainda tinha de pedir autorização ao posto de comando do Regimento para disparar sobre um alvo que julgasse interessante.
O meticuloso planejamento do Alto Comando estipulava (na rubrica “meios de transporte”) 501 veículos a motor, 1.395 puxados por animais e até mesmo 678 prosaicas bicicletas, uma das últimas alternativas imaginadas pelos alemães para compensar a falta de gasolina, distribuídas sobretudo ao batalhão de fuzileiros. Para muitos soldados, acabaram sendo essenciais durante a perseguição final que sofreram pelas tropas aliadas, em abril de 1945. Os sobreviventes contam que, pelo menos, ninguém estava a pé e quem não tinha sua bicicleta simplesmente a roubava da população italiana (o que acontecia, evidentemente, com gêneros alimentícios na relativamente rica região da Emilia Romana). No mínimo uns 4 mil cavalos se destinavam à Divisão, dos quais 802 apenas para montar. A realidade era muito diferente dessa descrição minuciosa. Os 300 veículos que a Divisão recebeu (em vez de 500), eram todos usados, a maior parte civis, que haviam sido “requisitados” por toda a Europa. Vinham de 40 procedências diferentes, complicando severamente o trabalho de manutenção. A única exceção se constituía de 20 caminhões Opel Blitz de três toneladas, a cargo da companhia de transportes e três tratores de 12 toneladas (do batalhão pesado de artilharia), que eram novos. A Divisão precisou organizar por sua conta o transporte dos veículos de Berlim, Kassel ou Praga para o campo de treinamento de Wildflecken (localidade a leste de Frankfurt que até hoje serve para fins militares: atualmente a OTAN treina ali tiros de artilharia), aonde chegaram de trem, por falta de gasolina. Pelo mesmo motivo – racionamento de combustível – não puderam ser utilizados para fins de treinamento.
Uma divisão inteira .
Essas informações fazem parte de um relatório que o comandante da 232ª Divisão de Infantaria, o general barão Eccart von Gablenz, escreveu em 1946, como prisioneiro dos americanos. Literalmente a figura do barão é um capítulo à parte. Entusiasmado por cavalos, como quase todo oficial alemão tradicional, o barão inspecionou pessoalmente a chegado dos animais, seu principal meio de locomoção. Dos 1.500 cavalos da Divisão (em vez de 4 mil), apenas um terço veio da região próxima ao campo de treinamento. O restante foi “requisitado” na Lituânia e seu estado, dado como satisfatório, apesar do longo transporte de 20 dias, por trem, organizado por “comandos” escalados pelo general. Infelizmente, queixava-se o barão, com algumas poucas exceções, não havia nenhum bom cavalo para montar. Os demais, além disso, não puderam ser treinados a tempo para as novas tarefas: a princípio faltavam arreios e os animais estavam acostumados a trabalhar só na agricultura.
Evidentemente, a mobilidade da 232ª era das mais reduzidas, o que se agravaria ainda na Itália em virtude da total superioridade aérea dos aliados. Apenas um terço dos homens e do material podia ser transportado ao mesmo tempo. Isso retardou consideravelmente a entrada em ação da Divisão nos Apeninos, a partir de meados de outubro de 1944. Apenas as companhias do Estado-Maior, de comunicações, defesa antitanques e três colunas de transporte podiam mover-se por conta própria.
Em comparação com os alemães, a FEB dispunha de recursos de transporte consideráveis, o que foi inclusive louvado por seus comandantes como um dos elementos táticos essenciais para o bom êxito de operações de combate.                    
Foto do arquivo do 20º GACL A de Artilharia de Campanha Leve. Grupo Bandeirante que participaram da Segunda Guerra na Itália.
Armas alemãs sendo descarregadas pela FEB.
Do ponto de vista das comunicações, a 232ª era totalmente inferior a seus adversários. A precariedade de sua situação é traduzida pelo fato dela ter recebido, para sua companhia de rádio, apenas aparelhos restaurados e já utilizados na campanha de 1939. Os telefones incluíam modelos de quase toda a Europa, mas sem fios e cabos suficientes para longas distâncias. Sequer a quantidade mínima prevista nos planos – e até essa o general von Gablenz considerava insuficiente – foi preenchida. A tropa na linha de frente dispunha de recursos piores ainda. “Todas as nossas dificuldades táticas no terreno de luta, mais tarde, deviam-se basicamente a esse problema.”
Também os pioneiros (tropa empregada em serviços de engenharia, como preparação de estradas e fortificações, tarefas táticas, como preparação do terreno para um ataque ou ainda, assegurar a retirada através de minagem, destruição de pontes, etc.), em ação num terreno difícil e acidentado como o dos Montes Apeninos, com pontes e estradas destruídas ou em péssimo estado, não receberam o material pesado prometido.
Fonte deste artigo: As duas faces da glória - William Waack - Nova Fronteira.
Ilustração:  Henrique Moura                         

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Carta de um oficial do QG da F.E.B.

Navio General Meigs na entrada da Baía de Guanabara no Rio de Janeiro.(1945)
Carta de um oficial da FEB a seus pais no Rio de Janeiro relatando o regresso dos soldados brasileiros para casa.Lotado no Quartel General da FEB onde era encarregado dos entendimentos com os americanos para facilitar o embarque no navio americano General Meiges.A carta  foi enviada de Nápoles, 5 de Julho de 1945.
(acervo O Resgate FEB)