sexta-feira, 20 de maio de 2011

Sargento Max Wolf Filho - Memória de um herói do Brasil.

  Um herói nunca morre!

O Sargento Max Wolff Filho (foto) foi um militar voluntário da Força Expedicionária Brasileira (FEB), nascido em Rio Negro-PR, em 29 de julho de 1912, alistou-se, aos 18 anos, no 15º Batalhão de Caçadores, Curitiba-PR, unidade extinta cujas instalações são hoje ocupadas pelo 20º Batalhão de Infantaria Blindada ("Batalhão Sargento Max Wolff Filho"). Tornou-se conhecido pelo seu destemor, renúncia e espírito de sacrifício, oferecendo-se para as mais arriscadas missões das quais sempre se saia triunfante.

Momentos antes de tombar em combate
¨A rajada de metralhadora rasgou o peito do sargento Max Wolf Filho.Instintivamente ele juntou as mãos sobre o ventre e caiu de bruços.não se mexeu mais.O tenente que estava no posto de observação apertou os dentes com força, mas não disse uma palavra.Quando perguntado se o homem que havia tombado era o sargento Wolf , ele balançou afirmamente a cabeça.Menos de uma hora antes, falava de sua filha uma menina de 10 anos de idade e de sua condição de viúvo.Pediu que enviassem um bilhete com os dizeres:-¨Aos parentes e amigos estou bem.a minha querida filhinha-papai vai bem e voltará breve¨.
As ultimas palavras do sargento, um dos soldados lhe pedira uma faca e ele respondeu:-¨tedesco (alemão) não e frango". Wolf havia partido com seus homens, ,por sebes e ravinas, percorrendo a denominada ¨terra de ninguém¨.O primeiro objetivo da patrulha três casas, a menos de um quilômetro, que foram atingidas às duas horas da tarde.O grupo cercou as três construções em ruínas  e o sargento empurrou com o pé a porta de uma delas, nada encontrado.Às duas e meia da tarde a patrulha estava a menos de cem metros do ultimo objetivo a ser atingido:um novo grupo de casas sobre uma lombada macia.O sargento Wolf deu os últimos passos à frente.Então uma rajada curta e nervosa rasgou o silêncio do vale e o sargento caiu de bruços sobre a grama. Os outros homens agacharam, rápidos, e os alemães começaram a atirar bloqueando a progreção dos brasileiros com uma chuva de granadas-de-mão e tiros de metralhadoras.Lançaram em seguida, foguetes luminosos, pedindo fogo de suas baterias.Minutos depois, os projéteis da artilharia nazista assobiavam no ar explodindo o caminho percorrido pela patrulha.Por volta das dezenove horas, os homens da patrulha do sargento Max Wolf Filho retornaram ao PC do 11º RI.
 O General Lucian Truscott (USA) condecorando o Sargento Wolf com a Medalha Bronze Star (USA).
Mas ele ficara lá.Quando os padioleiros foram até a ¨terra de ninguém¨recolher os corpos e os feridos, os nazistas os receberam com rajadas impiedosas. Muitos dos homens que voltaram tinha os olhos rasos de água .O sargento estava morto.No estreito compartimento onde Wolf guardava seus pertences, estavam condecoração que o general Truscott colocara em seu peito, poucos dias antes, a citação elogiosa do general Mascarenhas e o retrato da filhinha de olhos vivos e brilhantes como do pai.Tudo, agora, muito vago.Este foi um dos dias mais tristes para o batalhão. Perdeu-se um bravo¨.O corpo do Sargento Wolf ficou mais três dias no campo de batalha, até que com a tomada de MONTESE e a liberação da ¨terra de nimguém¨os padioleiros conseguiram resgatar seu corpo.
 Sargento Raul Costáncio e Antero Contrera companheiros de Max Wolf no batalhão.
                        Antiga sepultura em Pistóia (Itália)                                     
Segundo sargento Niltom José Facion, de São João Del-Rei, que me contou a história:-¨eu estava a ums trinta metros de Wolf quando ele foi atingido. O soldado Alfredo Esteves da Silva, que ia na minha frente, virou-se para min e disse:-¨Parece que Wolf esta morto.Vou puxar o corpo dele para cá¨.Respondi que iria atrás dele, para ajudar.mas uma rajada matou também o pracinha Esteves antes que ele pudesse fazer alguma coisa.chegou a minha vez e consegui arrastar o corpo do sargento por uns trinta metros.depois recomeçou a chuva de morteiros e mão pude fazer mais nada¨.

Pesquisa:
Revista Verde Oliva - Edição Especial - FEB - 50 anos de Glória - 1999.
O Inverno da Guerra - Joel Silveira.
Site MAUXHONEPAGE- Força Expedicionária Brasileira.
O Resgate FEB
                  
                   

11 comentários:

  1. Exelente,maravilhoso texto...
    ...Este fato jamais será esquecido por mim, e gostaria que todos os Brasileiros tivessem informação sobre esté SOLDADO ( PRACINHA ) Brasileiro que como muitos outros, lutou e infelizmente tombou morto em terras longínquas, por um mundo melhor.
    Cabe a nós,não permitir que esta História se agague.
    " BRASIL ACIMA DE TUDO!!! "

    ResponderExcluir
  2. o sargento sempre foi uma ispiração para mim ,conheci toda sua historia no museu espedicionario de curitiba ,meu pai contou para mim eu conto para meu filho ,meu filho conta para o filho dele é assim niquem se esquece ! PE BRASIL .NÃO CINTO MEDO DOS MATAGAIS,NEM DO RUGIDO DA METRALHA ,A NOITE É MINHA AMIGA A LUA É MINHA COMPANHEIRA! BRASIL ACIMA DE TUDO ABAIXO SOMENTE DE DEUS

    ResponderExcluir
  3. AO DESPERTAMOS NÃO NOS DAMOS CONTA QUE NOSSO CONFORTO FOI CONQUISTADO COM O SACRIFICIO DE HERÓIS, NÃO NOS DAMOS CONTA QUE TEMOS ESCOLHAS HOJE; PORQUE PESSOAS INTERROMPERAM SUAS VIDAS E EM PROL DA HUMANIDADE. HOMENS QUE EM UM ESFORÇO DERRADEIRO FIZERAM DO SEU CORPO UMA TRINCHEIRA CUSTANDO-LHES MUITAS VEZES A PRÓPRIA VIDA, VENDO SEUS IRMÃOS CAINDO-LHES AOS PÉS, SEM QUE NADA OS IMPEDISSE DE IR A FRENTE AO HOLOCAUSTO. LAMENTANDO MUITAS VEZES SIM! NÃO TEREM TOMBADO COM SEUS IRMÃOS. OBRIGADO! É SÓ QUE POSSO DIZER.

    ResponderExcluir
  4. O sargento Wolff tombou no tipo de missão que mais gostava e sempre se oferecia como voluntário: A patrulha.Porém, fazia uma só exigência: Ele escolheria os homens para acompanhá-lo. Acredita-se que cada sargento comandante de grupo de combate tenha comandado cerca de 8 a 9 patrulhas durante a companha na Itália. Wollf simplesmente fêz 36!!!

    ResponderExcluir
  5. Para quem é curioso assim como eu, no que tange às baixas, olhe e a foto que Woll está com as mãos na cintura. A sua esquerda, a altura do seu ombro, está o Soldado Alfredo Esteves da Silva. Aquele que tentou recuperar o corpo do sargento.

    ResponderExcluir
  6. Tive o grande prazer de participar de uma manobra em 2005,que teve como batismo o nome do grade e bravo sargento Max Wolf Filho!

    ResponderExcluir
  7. Quando vemos histórias de hérois , que tombaram defendendo a democracia , a liberdade a honra ficamos imaginando , como políticos da extirpe de Cunha ,Renan , Temmer etc , que saqueiam recursos da Nação conseguem dormir sem que sintam remorços . Acho que pagarão em algum plano, neste ou no além .

    ResponderExcluir