terça-feira, 27 de maio de 2014

Flamula da Reunião conjunta da F.M.A.C e Associação dos Ex Combatentes do Brasil.

Antiga flamula da  Reunião conjunta da F.M.A.C e Associação dos Ex Combatentes do Brasil. realizada no Rio de Janeiro de 10 a 14 de abril de 1978.
(acervo O Resgate FEB)
clique na foto para ampliar
Fundação Mundial Antigos Combatentes. Com o nobre objetivos: 
Para defender os interesses espirituais e materiais dos veteranos de guerra e vítimas de guerra. Promover a plena integração dos veteranos de guerra e as vítimas da guerra em suas respectivas comunidades, superando as consequências físicas e psico-social de guerra.          

segunda-feira, 26 de maio de 2014

O destino do USS General Meigs

Lembranças do navio que transportou as tropas brasileiras General Meigs na participação da FEB na Segunda Guerra Mundial, recordação do 2º Tenente Felix Bartholini Cáccavo.
(acervo o Resgate FEB)           
Historia:
Início da construção: 22 de setembro de 1943.
lançamento: 13 de março de 1944.

Este navio foi lançado em 13 março de 1944 mediante um contrato da Comissão Marítima à Shipbuilding & Co. Federal Drydock, Kearny, New Jersey(EUA), patrocinado pela Sra. Henry R. Arnold; adquirido pelo Marinha em 2 de junho de 1944 e comissionado em Bayonne, New Jersey em 03 de junho de 1944 sob comando do capitão George W. McKean, USCG. Serviu meses na Segunda Guerra Mundial no transporte de tropas militares, fazendo viagens entre Newport News, Virgínia, e Nápoles, Itália.
logo após sua conclusão em 1944.
Em setembro de 1944 o navio USS Gen. Meigs chegou ao Rio de Janeiro, Brasil, ocasião em que foi visitado pelo Presidente Getúlio Vargas. Em 22 de setembro, embarcaram um total de 5.239 soldados da Força Expedicionária Brasileira – FEB, compondo o 3° Escalão de embarque. Fez a travessia do Oceano Atlântico até atingir o Mar Mediterrâneo, chegando ao Porto de Nápoles em 06 de outubro. Lá embarcaram tropas militares, civis e 460 prisioneiros de guerra alemães seguindo para os Estados Unidos.
Sua denominação era um homenagem ao militar General Montgomery Cunningham Meigs (1816-1892).
Entre 07 de novembro e 08 de março de 1945, o navio USS Gen. Meigs fez duas semelhantes viagens de ida e volta dos Estados Unidos para a Itália e África do Norte, através do Brasil, transportando tropas americanas e brasileiras (como o 4° e 5° Escalões) para a Europa para se unirem às unidades que lutavam contra a Alemanha nazista. Continuou no serviço de transporte de tropas, retornando várias dela para os Estados Unidos e Brasil.
Partida de pracinhas brasileiros da Baía da Guanabara (RJ)
Foto:
(Agência Estado/jornal Estado de Minas, edição Revista Neo Interativa, S.Paulo/SP, 1995)
Chegada do USS General M. C. Meigs (AP-116) no porto do Rio de Janeiro trazendo os pracinhas de volta da Itália.(18 de Jul de 1945)
Após o conflito mundial, continuou operando no transporte de militares em retorno às nações. Chegou a San Francisco em 24 de Janeiro de 1946, e foi desativado em 04 março, sendo entregue a WSA para transferência a Lines, Ltd., como um navio de passageiros.
Após a eclosão da agressão comunista na Coréia em 25 de junho de 1950, o navio foi tirado da Comissão Marítima em 21 de Julho e atribuído ao MSTS. Tripulado por civis, fez 19 viagens cruzeiro para o Extremo Oriente durante os combates na Coréia e levou milhares de soldados norte-americanos da Costa Oeste para os portos do Japão e Coréia.
Após o fim do conflito em julho de 1953, ele continuou a apoiar a prontidão americana no Extremo Oriente com rotação de tropas tipo cruzeiro durante o restante de 1953 até 1954. Foi colocado na Redução Operacional Status, em 1955, e transferido para a Administração Marítima em 1° de outubro de 1958 e logo entrou para a Defesa Nacional Reserve Fleet, lá permanecendo inoperante. A empresa que o guardava foi extinta e outra empresa de nome Murphy Pacific Marine Salvag foi contratada para rebocar o navio à San Francisco (Califórnia).
O Superintendente da Marinha de Salvamento foi nomeado para esse serviço, utilizando-se de uma embarcação de transporte para rebocamento, o USNS (T-ARS-34). O navio USS Gen. Meigs foi engatado e começou seu translado. Em 9 de janeiro de 1972, quando esta embarcação alcançou o Oceano Pacífico, a oeste de Cabo Flattery, ocorreu uma tempestade e a força dos ventos agitou o mar fazendo com que os cabos rompessem e o navio USS Gen. Meigs fosse atirado contra os rochedos da encosta, partindo-se ao meio, sem emborcar, ficando ali travado nas rochas.
Gen. Meigs atirado contra os rochedos. 
A tripulação do rebocador tentou definir outra amarra para remoção, mas devido à tempestade foram incapazes de cumprir a tarefa. Ao amanhecer, a Guarda Costeira americana enviou um helicóptero de Port Angeles para o local tentando colocar o pessoal de salvamento a bordo a fim de libertar o navio, mas foi em vão. 
Ele transportava 19 tanques de combustível que variavam de 8.000 a 22.000 litros. O navio deixou o Estaleiro Puget Sound Naval com um pequeno rebocador do porto da Marinha, com numerosos botes salva-vidas de aço e vários tambores de solventes a bordo amarrados no convés. Estima-se que aproximadamente 116 mil galões de óleo combustível, ou 16 por cento da capacidade do navio permaneceu nos seus 19 tanques. Antes deste acidente, era uma prática comum se deixar um pouco de óleo nos tanques de combustível para inibir a corrosão quando um navio fosse colocado em estado de reserva. Cerca de 500 galões de óleo combustível foram derramados na água quando o navio se partiu em duas partes. Outros 500 galões foram derramados nos seis meses depois, continuando sem interrupção o que provavelmente se esgotou com o tempo. O navio continuou à deriva, encalhado em uma borda rochosa próxima a sul de Portage Head (Costa americana no Pacífico).

Especificações do AP-116:
  1. Comprimento:189,7 m
  2. Boca(largura):23 m
  3. Calado:7.8 m
  4. Peso vazio:11.450 toneladas
  5. Peso com carga:20.175 toneladas
  6. Capacidade maxima  para guerra:6.800 homens, 363 cabines para oficiais
  7. Tripulação: 465
  8. Motor:duas turbinas Delaval de 17.000 hp cada um.
  9. Velocidade:20.6 nós (aproximadamente: 38 Km/h
  10. Armamento:
  11. 4 canhões de 127 mm
  12. Bateria de de 4 canhões de 28 mm
  13. 20 canhões de 20 mm
Pesquisa: 
Ivo Kretzer de Jaraguá do Sul
wikipédia
Portal FEB

quinta-feira, 22 de maio de 2014

O Resgate do 3º Sargento do 11º RI Virgilino de Souza - Folha de Alteração


Resgatando a história a memória dos feitos nos campos de batalha do 3º Sargento Virgilino de Souza do 11º Regimento de Infantaria da FEB nº 5047, natural de Praia Comprida (Santa Catarina). Rara e minuciosa em detalhes Folha de Alteração contendo cinco paginas.As alterações ocorridas onde conta toda sua trajetória como membro da FEB. Vou fazer um breve resumo porque e muito rico em detalhes como dia, hora e local.
(acervo O Resgate FEB)

Visita dos quatro heróis da FEB  a redação do jornal.
Da esquerda para direita:

Sargento Adão de Andrade Souza de Belo Horizonte  (MG)
 Sargento Júlio Rodrigues Viana Filho de Recife (PE)
Sargento Arlindo Gomes de Oliveira de Maceió (Al)
Sargento Virgilino de Souza de Florianópolis (SC)

Recorte de jornal  de 21 de setembro de 1945 a redação do jornal, com varias matérias sobre a chegada, relatos de guerra e curiosidades durante a campanha na Itália.
(clique na foto para ampliar)
Resumo das alterações:

Julho de 1944, dia 21 Virgilino apresentou ficando lotado no Batalhão e Companhia de Serviços , vindo do Departamento Pessoal da FEB.
No dia 2 de agosto apresentou sua carteira de motorista e dia 3 seguiu com o RI para o Recreio dos Bandeirantes onde acampou.Dia 14 foi incluído no Regimento de Infantaria tornando seu numero de identidade 5047.
Em setembro dia 20 deslocado com Regimento de Infantária na Vila Militar (Morro Capistrano) para bordo do navio americano A.P.116.
No dia 22 de setembro de 1944 embarcou a bordo do navio americano General Meigs com destino ao teatro de operações na Itália onde já encontrava o 1º escalão da FEB.Tendo chegado ao porto de Nápoles as 7.30 hs do dia 6 outubro mas permanecendo a bordo até dia 9 e depois para as barcas "L.C.I"da marinha americana que o conduziu ao Porto de Livorno A tropa permaneceu a bordo até as 19.30 hs do dia 12 quando iniciou o desembarque.Em novembro e dezembro participou de vários combates onde consta com detalhes dos confrontos e lugares.Em janeiro de 1945 participou de vários combates e dia 4 fevereiro de 45 seguiu para Roma onde teria um período de repouso de seis dias.
Em março deslocou para Riola onde tornou parte da substituição do I Batalhão do 6º RI
em suas posições onde foi elogiado pelo espirito combativo e corajoso e voluntário para seguir as patrulhas.
Abril o sargento durante 35 dias nessas posições fortemente castigadas pela artilharia e morteiros inimigos e sobre terrenos minados fez inúmeros patrulhas de vigilância e emboscadas ,tendo comprido 29 missões de reconhecimento o Batalhão fez o total de 16 prisioneiros.
Maio dia 9 foi publicado ter tomado parte no glorioso ataque a Montese tendo seu batalhão participado da 1 º fase e posteriores sempre com espirito combativo e corajoso.
Junho foi elogiado coletivamente o batalhão pelo Sr General Delmiro de Andrade pela vitoria integral dos aliados que esteve a altura das responsabilidades e missões que lhe foram atribuídas ressaltando o belo exemplo de cumprimento do dever e espirito de sacrifício e saudando um breve retorno ao Brasil e a seus lares com a consciência tranquila do comprimento do dever e prosperidade na vida civil.
Julho foi desligado do V Exercito Norte Americano e IV Corpo.No dia 16 foi elogiado pelo comandante da companhia nos seguintes termos:-"Comandante de seção de metralhadora.esta função foi exercida durante toda a campanha da Itália.Diante do inimigo revelou animo forte e coragem. Sofreu as reações de terreno e do inimigo e sua seção sempre cumpriu as suas missões com eficiência. O comando foi sempre pelo exemplo e deu aos seus soldados a ideia mitida do cumprimento do dever. Comandou sua seção com desembaraço e energia."
Agosto do dia 14 foi indicado para ser condecorado com a Cruz de Combate 1º classe.
Foi publicado dia 27 de setembro ter seguido a bordo do navio General Meigs que desatracou no mesmo dia com destino ao Rio de Janeiro. onde chegou dia 17 e atracou as 8.30 hs onde desfilou e logo após seguiu para a Vila Militar e no dia 25 as 10.00 hs foi agraciado com a Medalha de Campanha.
Em outubro seguiu para sede do 11º RI em São João del Rei onde passou por Juiz de Fora onde desfilou no mesmo dia e embarcou na Estação Mariano Procópio (JF) para São João del Rei e desfilando para a cidade e aquartelando logo após..Fez o requerimento de reengajamento e foi mandado comparecer a E.R a afim de avaliação de saúde Foi publicado estar entrando em gozo de ferias regulamentares relativas aos anos de 1943 e 1944 devendo goza la em Praia Comprida (SC).
Folhas de Alterações:
(Clique na foto para ampliar)

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Selos Vitória das Nações Aliadas F.E.B


Bela e rara coleção de selos em ótimo estado de conservação do lançamento do álbum da série VITÓRIA DAS NAÇÕES ALIADAS em 15 de agosto de 1945 selos RHM C 198-202 e contendo a folhinha com legenda heptalingue (sete línguas) descrevendo as gravuras.
(acervo O Resgate FEB)
clique na foto para ampliar

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Cinto de campanha US Segunda Guerra Mundial.

Uma das varias formas de compor o cinto porta munição dos soldados americanos durante a Segunda Guerra, podendo os pracinhas da F.E.B ter utilizado já que todos os itens foram distribuídos ao brasileiros.Todos itens originais da Segunda Guerra.
(acervo o Resgate F.E.B)
Itens:
Cinto porta munição (US)
Porta curativo individual (US)
Baioneta M 1 Garand Rifle (US)
Cantil (US)
Bússola Lesnsatic (US)
clique na foto para ampliar

quarta-feira, 14 de maio de 2014

USS General Mann 1º embarque da F.E.B

USS General W.A. Mann (AP-112) foi uma navio de transporte de tropas da marinha dos Estados Unidos, sendo usado na Segunda Guerra Mundial, Guerra da Coréia e na Guerra do Vietnã.
Sua denominação era um homenagem ao General William Abraão Mann.

História
Construído entre 1942 e 1943 e incorporado em 13 de outubro de 1943, iniciou suas atividades no norte da Africa Em julho e setembro de 1944, transportou os dois primeiros escalões da Força Expedicionária Brasileira, entre o Rio de Janeiro e Nápoles.
Na Guerra da Coréia, foi utilizado pelo governo da República da Coréia para transportar documentos, além de ouro e prata.
Na crise dos mísseis cubanos, transportou para o Caribe, armamento caso o conflito ocorresse.
Em 1966 foi colocado na frota da Reserva Nacional Americana e em 1987 foi vendido como sucata, sendo desmontado em Taiwan.
O USS General W.A. Mann ganhou duas Estrela de Serviço, uma para a Guerra da Coréia e outra pelos seus serviços na Guerra do Vietnã.

A FEB e o Navio General Mann
O embarque do 1º escalão da FEB, sob o comando do general Zenóbio da Costa, no navio norte americano USS General Mann encerra uma longa espera dos brasileiros para finalmente engajarem-se na batalha na Segunda Guerra.
Tropas da FEB desembarcam na Itália em 16 de junho de 1944.
Desembarque do 1º Escalão da FEB no porto de Nápoles, em 16 de julho de 1944 com
seus 5.075 homens eram comandados pelo general Zenóbio da Costa

Foto: História do Século 20,  Ed. Abril Cultural, São Paulo/SP, 1975
Sobre o navio General Mann, O Sr Pedro Cândido Ribeiro nasceu no município de Formiga, Minas Gerais, no ano de 1920. Serviu no Teatro de Operações da Itália no período de 6 de Julho de 1944 a 12 de Julho de 1945, encarregado na chamada Companhia de Manutenção Leve, conta que ele possuía quatro andares, e que os dormitórios eram bem pequenos, com beliches nas paredes. Era aconselhado ficar dentro dos dormitórios, e, quando se saía, geralmente era para ir à cozinha ou à lavanderia. Os corredores do navio eram cheios de guardas americanos observando tudo, e pela dificuldade de comunicação, dado que não falavam o Português, os guardas só apontavam para a direção em que os soldados deveriam ir. Sr. Pedro conta que teve um amigo que sofria de muito enjoo por causa do navio e que quase não saía da cama por causa do mal-estar, então Sr. Pedro era o responsável por buscar a comida para ele..
PESQUISA:
Blog História Militar
Portal FEB
 Wikipédia,

segunda-feira, 12 de maio de 2014

Cinquentenário da Vitória - Florianópolis-SC

Linda Medalha comemorativa ao Cinquentenário da Vitória de 1995, seção Florianópolis (SC).
(acervo O Resgate FEB)
clique na foto para ampliar

quinta-feira, 8 de maio de 2014

Dia da Vitória 8 de maio de 2014


Há exatamente 69 anos no dia de hoje, as forças aliadas que combateram contra o nazi-fascismo durante a Segunda Guerra Mundial, faziam ruir por terra as armas do eixo- Berlim-Roma- Tóquio, dando fim de uma guerra que iniciara em 1939. No maior conflito mundial ocorrido em época contemporânea, a participação brasileira com a Força Expedicionária Brasileira e a Senta a Pua (FAB) foi modelar, elogiada pelo V Exército Americano e cumpriu o seu papel na defesa das liberdades.
A comemorações em Brasília foi no Batalhão Duque de Caxias (Batalhão da Guarda Presidencial) com solenidade de lembrança aos 69 anos da rendição da Alemanha no continente europeu onde a FEB e Senta a Pua lutaram em 1944/1945.Com a presença de ex combatentes da FEB, infelizmente em um numero cada vez menor.O ponto que emocionou a todos a Canção do Expedicionário e logo após o desfile das tropas do BGP, jeps da época e blindado M8 Greyhound modelo usado pela FEB.Encerrando com um coquetel aos presentes.

Desfile das tropas.
M8 Greyhound modelo usado pela FEB.
Jeps da época  da Segunda Guerra
Os pracinhas da FEB  cada vez em menor números.
Tenente Coronel Nestor Silva
Túnica de Capitão de Infantária  da FEB (1ºmodelo)
Marcos Renault pressente na comemoração e levou um pouco do seu acervo.
Túnica de soldado da FEB ( 1º modelo)
(Acervo Marcos Renault)
Túnica de Máster das Divisões Panzer da Afrika Korps.
Algumas divisões ainda usaram este modelo de túnica tropical na Itália e Mediterrâneo.
(Acervo Marcos Renault)
Henrique Moura
Matéria e fotos O Resgate FEB
(clique nas fotos para ampliar)

domingo, 4 de maio de 2014

Bandeira de Guerra da Mãe do expedicionário.

Raríssima Bandeira (tecido) de Guerra da mãe do expedicionário da FEB.
A bandeira da mãe ou bandeira de serviço era exposta por parte das famílias que tinham filhos que serviam ao Brasil durante o período da Segunda Guerra na Itália, a prática de exibir a bandeira de serviço tornou-se muito difundido.
(acervo O Resgate FEB)
No blog O Resgate FEB tem uma matéria que complementa os diversos tipos de bandeiras. Pesquisar:"Bandeira de Guerra da Mãe-Bandeira de Serviço  US/F.E.B"

clique na foto para ampliar