segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Jornal feito no navio Mariposa, durante o regresso da F.E.B

Jornal feito no navio Mariposa, durante o regresso da FEB, editado em 15 de agosto de 1945 numero 03 contendo noticias atualizadas do termino da guerra como a rendição incondicional do Japão, noticias do Brasil e piadas.(acervo o Resgate FEB)
clique na foto para ampliar

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

A LUTA DOS PRACINHAS - F.E.B

O filme "A Montanha" mostra as agruras vividas pelos soldados brasileiros na Segunda Guerra Mundial e a integração racial do pelotão

Ivan Claudio
chamada.jpg
FRIO E QUEDA
O ator Francisco Gaspar como Piauí: as botas nacionais não eram feitas para andar na neve
Nas encostas dos Apeninos, na Itália, o inverno costuma ser rigoroso, com madrugadas cravando temperaturas inferiores a 15 graus negativos. Eis o que diz o ex-pracinha Antonio Amarú, um dos 25 mil soldados brasileiros que lutaram na Campanha da Itália durante a Segunda Guerra Mundial e, portanto, pernoitou bastante no local: “Usava seis blusas de lã por baixo do field jacket americano, um par de luvas de lã e por cima um par de luvas impermeáveis, ou perderia a mobilidade nos dedos.” Seu depoimento poderia ter sido dito pelos atores que passaram sete semanas nas mesmas condições ao filmar o longa-metragem “A Montanha”, o primeiro filme de ficção a tratar da participação da Força Expedicionária Brasileira no conflito, cujas gravações se encerraram na semana passada. Dirigido por Vicente Ferraz, a produção procura ser fiel a histórias de jovens como Amarú, na época com 25 anos. Eles experimentaram o pior inverno do século na região. Da Itália, por telefone, o ator Daniel Oliveira, que se protegeu nas filmagens com duas malhas e duas meias térmicas, teve a exata sensação das agruras enfrentadas pelos soldados brasileiros: “No set a gente usou botas antigas e a ardência provocada pela neve foi imediata. Dá para imaginar a dificuldade deles.”
img1.jpg
“Me interessei pelo lado humano do conflito ao
ler os diários e os relatos feitos pelos pracinhas”

Vicente Ferraz, diretor
Oliveira interpreta Guima, um soldado especializado em desarmar minas. No filme, ele faz companhia aos soldados Tenente (Julio Andrade), Piauí (Francisco Gaspar) e Laurindo (Thogun). Vítimas de um ataque de pânico, os quatro se encontravam perdidos e passam a ser considerados desertores. Nessa situação, travam contato – e têm uma relação de quase amizade – com dois outros fugitivos do campo de batalha: o italiano Roberto (Sergio Rubini), da Resistência, e o alemão Jurgen Mayer (Richard Sammel). Segundo Ferraz, esse encontro não está nos livros e nasceu, obviamente, de sua imaginação. “Não tenho a pretensão de reescrever a história”, diz o diretor. O enredo, contudo, é plausível. Depoimentos de pracinhas registram o contato com desertores nazistas e a convivência amistosa com prisioneiros da artilharia germânica. Em “A Montanha”, quem se depara com o alemão Mayer é o soldado Piauí, vivido por Gaspar. Ele se solidariza com o nazista ferido nos pés e o carrega numa bandiola pela neve. “Imagina só, eu com 1,65 metro de altura e 58 kg puxando um alemão de 1,90 metro. Eram cenas muito difíceis, tínhamos que andar com gelo até o joelho.”
img.jpg

COMPANHEIRISMO

Abaixo, os atores Daniel Oliveira (Guima) e Thogun (Laurindo):

convivência entre brancos e negros surpreendeu os americanos
Como pisava pela primeira vez na neve, Gaspar conta que escorregava bastante nas superfícies mais lisas. “As botas usadas pelos pracinhas não eram feitas para andar lá. Nos primeiros dias, levei muitos tombos”, diz. Não só a bota como também o uniforme. Segundo Gaspar, o filme é bem fiel nesse aspecto ao colocar cada ator usando uma farda diferente, todas do Exército americano. O figurino é original e foi alugado de colecionadores. Embora o elenco tenha recebido treinamento de exercício de montanha e técnicas de desmontagem de minas no Batalhão de Engenharia de Pindamonhangaba, a trama foge dos clichês do gênero e não mostra tantos tiros e explosões. “Me interessei mais pelo dia a dia e me afastei do lado perverso da guerra”, afirma Ferraz, que entre os 20 livros consultados incluiu diversos relatos de ex-pracinhas. Para se livrar da servidão à realidade, preferiu nem filmar em Monte Castello e evitar, assim, qualquer referência ao local onde se deram os maiores conflitos entre brasileiros e alemães. “Na preparação, contudo, passamos pela região. Foi para dar um axezinho”, diz Oliveira. Ao visitar uma das pequenas cidades libertadas pelos pracinhas, a equipe encontrou um velhinho que era criança naquela época. Olhando para Thogun, ele se lembrou que foi na guerra que viu um negro pela primeira vez. Livros recentes, como “Barbudos, Sujos e Fatigados”, de César Campiani Maximiniano, consultor do filme, mostram que a integração racial do Exército brasileiro chamou a atenção também dos americanos, ainda bastante racistas durante a guerra. Esse é outro detalhe que o filme não se esqueceu de ressaltar.
img2.jpg
Matéria: Isto é.

sábado, 18 de janeiro de 2014

Meu primeiro e único combate - F.E.B

Essa é o relato narrado abaixo é uma triste e emocionante historia do veterano da Força Expedicionária Brasileira Fernando Leopoldo dos Santos Miranda, natural de Recife-PE. Após a guerra recebeu as medalhas de Sangue do Brasil por ferimento em combate e a medalha de campanha.
Pracinhas em recuperação em um hospital americano
"Doze de dezembro de 1944, esta foi a data do meu primeiro e único combate.Naquele dia recebi o batismo de fogo, em Monte Castelo: estávamos dormindo em uma estrebaria, recebemos ordem e partimos de madrugada, com o Batalhão, para o ataque. Não consigo me lembrar do nome do meu sargento comandante do grupo de combate. O alemão lá de cima do morro e a gente cá em baixo. O primeiro tiro me pegou, senti uma frieza quando a bala bateu em mim – não sabia se de metralhadora, mas foram quatro ferimentos: um em cada perna, um na mão e outro no lado esquerdo,na costela. Fiquei estendido na neve e penso que, por isso, escapei de morrer; o gelo estancou o meu sangue. Olhei para o relógio, eram oito horas e trinta minutos da manhã e eu continuava caído sobre a neve. Havia sangrado mas sem sentir dor. Ao ser ferido, permanecendo inerte daquele jeito, imaginei que os alemães iriam me matar. Muitos feridos morreram porque reagiram à aproximação dos alemães.
Eles pertenciam a um grupo de combate inimigo, mas deles não tenho nenhuma queixa. Ao clarear o dia, os alemães desceram para apanhar os feridos (éramos quatro brasileiros, os outros três eram soldados), colocaram-nos em padiolas e nos levaram para um hospital italiano. Fomos muito bem tratados pelos enfermeiros alemães; mesmo sem entender nada do que eles falavam – eu não perdi a consciência em momento algum –, me lembro até que, quando estava na padiola, puseram em cima de mim o apetrecho que a gente levava para as refeições e nos levaram direto para o hospital.
Na sala do hospital havia mais seis feridos; as enfermeiras vinham e nos tratavam muito bem; levavam-nos para urinar e defecar. Lá no hospital italiano, lembro-me que tanto os alemães como os italianos mandavam alimentação e cigarros que os americanos jogavam de pára-quedas no campo. Recolhiam e entregavam à gente. Passamos pouco tempo no hospital e depois fomos transferidos para um campo de concentração de prisioneiros na Áustria – não era daqueles campos de concentração para judeus –, onde permanecemos cerca de quatro meses; naquela altura eu já conseguia andar com o auxílio de uma muleta ou com a ajuda de alguém me apoiando.
Na minha sala havia quatro prisioneiros, mas o campo era grande. Recebíamos atendimento de médicos alemães ou italianos, havia enfermeiras à noite, não existiam medicamentos mas elas sempre mudavam os curativos da gente.
Quando terminou a guerra, fui libertado pelos ingleses; eles desceram de pára-quedas e nos levaram para Livorno, de avião, juntamente com os feridos alemães. De lá fomos transferidos para Casablanca, onde passamos uns dois dias, e finalmente para os Estados Unidos, em Baltimore, onde me demorei por mais uns quatros meses.
Lá havia mais feridos brasileiros, em tratamento, que tinham chegado antes de mim; depois fomos todos para Nova Orleans, onde existia um hospital muito grande. Ali, por cerca de seis meses, fiquei aguardando a minha reforma. Apesar do tratamento, nunca me recuperei dos ferimentos que recebi. Vim para o Hospital Central do Exército, no Rio, e depois me apresentei no 14o RI, aqui no Recife, mesmo caminhando com auxílio de muleta.
Eu era cabo e não tive promoção nenhuma até passar pela Junta de Saúde e ser reformado no posto de 2º sargento; o General Lott foi quem me deu o soldo de 1º sargento e agora, sob outra lei, recebo o soldo de 2º tenente.
Nesse benefício entrou todo mundo, soldado, cabo, quem foi para a guerra e quem não foi e eu não sei que justiça é essa: fui ferido em combate e ganho a mesma coisa de quem ficou aqui no Brasil!
A minha impressão é a de que há um esquecimento dessas coisas, principalmente por parte das Forças Armadas. O meu acesso, por exemplo, ao Serviço de Saúde do Exército é igual ao dos outros, minha família tem de ir marcar cartão de visita médica no meio de muita gente. A Associação de Veteranos da FEB não tem me ajudado em nada, só tem havido preocupação com comemorações e festividades.
O Exército me ensinou uma noção de disciplina muito grande e essa noção eu repassei para os meus filhos."

Fonte: HISTÓRIA ORAL DO EXÉRCITO NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
Biblioteca do Exército Editora

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Boina da Associação Nacional dos Veteranos da Força Expedicionária Brasileira.

Famosa boina azul da ANVFEB que muito nos orgulha e que agora poucos bravos estão usando.Utilizados por eles em desfiles, comemorações e festas.Fabricado pela Prada. 
(acervo O Resgate FEB) 

Tenente - Coronel NESTOR DA SILVA - FEB

Foto O Resgate FEB

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Medalha Sangue dos Heróis da F.E.B - Seção Nova Iguaçu

Difícil de encontrar esta medalha comemorativa da Associação Nacional dos Veteranos da FEB Seção Nova Iguaçu (RJ) pós guerra alusiva ao Dia da Vitória em 8 de maio de 1945 pelo término da Segunda Guerra Mundial pelos aliados onde a FEB atuou na Itália entregue aos ex combatentes de Nova Iguaçu.
(acervo O Resgate FEB)
clique na foto para ampliar

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Material utilizado no inverno pela F.E.B

Material americano utilizado pelos pracinhas no rigoroso inverno italiano de 1944 na Segunda Guerra Mundial.
Botas, luvas e capote.
Peças do acervo do Memorial Nacional aos Mortos na Segunda Guerra Mundial (Rio de Janeiro)
Foto : O Resgate FEB.

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Capa de proteção contra gás.WW II. US.

Cobertura de proteção individual do exército americano contra ataque a gás de agosto de 1943, muito parecido com um poncho e um saco de vinil grande na ponta feita de plástico transparente para poder enxergar.Era utilizado no caso de ataque com gás. Cada mascara de gás que foi emitido tinha este acessório da capa.Porem foi mais utilizada como capa de chuva já que os ataques químicos foram raros.Foi distribuída para FEB.
(acervo o Resgate FEB)
Como era usado a capa

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Diploma de Reconhecimento F.E.B


Foi com muito alegria e satisfação que recebi o DIPLOMA DE RECONHECIMENTO da Associação Nacional dos Veteranos da Força Expedicionária Brasileira Seção Regional de Juiz de Fora - MG em reconhecimento aos valiosos préstimos a Associação de Juiz de Fora. Agradeço este valiosa honraria com muita emoção, principalmente para min que faço com enorme prazer e dever em divulgar a memória e feitos dos verdadeiros heróis do Brasil.Aumentando mais ainda a responsabilidade com enorme satisfação de continuar firme e sempre ativo em perpetuar a FEB. Repito o Blog O Resgate FEB e nosso e esta a disposição de todos para divulgar a FEB; o que considero a melhor parte da nossa história.Obrigado a diretoria da ANVFEB/JF
Henrique de Moura Paula Pinto
(Blog O Resgate FEB)