segunda-feira, 26 de maio de 2014

O destino do USS General Meigs

Lembranças do navio que transportou as tropas brasileiras General Meigs na participação da FEB na Segunda Guerra Mundial, recordação do 2º Tenente Felix Bartholini Cáccavo.
(acervo o Resgate FEB)           
Historia:
Início da construção: 22 de setembro de 1943.
lançamento: 13 de março de 1944.

Este navio foi lançado em 13 março de 1944 mediante um contrato da Comissão Marítima à Shipbuilding & Co. Federal Drydock, Kearny, New Jersey(EUA), patrocinado pela Sra. Henry R. Arnold; adquirido pelo Marinha em 2 de junho de 1944 e comissionado em Bayonne, New Jersey em 03 de junho de 1944 sob comando do capitão George W. McKean, USCG. Serviu meses na Segunda Guerra Mundial no transporte de tropas militares, fazendo viagens entre Newport News, Virgínia, e Nápoles, Itália.
logo após sua conclusão em 1944.
Em setembro de 1944 o navio USS Gen. Meigs chegou ao Rio de Janeiro, Brasil, ocasião em que foi visitado pelo Presidente Getúlio Vargas. Em 22 de setembro, embarcaram um total de 5.239 soldados da Força Expedicionária Brasileira – FEB, compondo o 3° Escalão de embarque. Fez a travessia do Oceano Atlântico até atingir o Mar Mediterrâneo, chegando ao Porto de Nápoles em 06 de outubro. Lá embarcaram tropas militares, civis e 460 prisioneiros de guerra alemães seguindo para os Estados Unidos.
Sua denominação era um homenagem ao militar General Montgomery Cunningham Meigs (1816-1892).
Entre 07 de novembro e 08 de março de 1945, o navio USS Gen. Meigs fez duas semelhantes viagens de ida e volta dos Estados Unidos para a Itália e África do Norte, através do Brasil, transportando tropas americanas e brasileiras (como o 4° e 5° Escalões) para a Europa para se unirem às unidades que lutavam contra a Alemanha nazista. Continuou no serviço de transporte de tropas, retornando várias dela para os Estados Unidos e Brasil.
Partida de pracinhas brasileiros da Baía da Guanabara (RJ)
Foto:
(Agência Estado/jornal Estado de Minas, edição Revista Neo Interativa, S.Paulo/SP, 1995)
Chegada do USS General M. C. Meigs (AP-116) no porto do Rio de Janeiro trazendo os pracinhas de volta da Itália.(18 de Jul de 1945)
Após o conflito mundial, continuou operando no transporte de militares em retorno às nações. Chegou a San Francisco em 24 de Janeiro de 1946, e foi desativado em 04 março, sendo entregue a WSA para transferência a Lines, Ltd., como um navio de passageiros.
Após a eclosão da agressão comunista na Coréia em 25 de junho de 1950, o navio foi tirado da Comissão Marítima em 21 de Julho e atribuído ao MSTS. Tripulado por civis, fez 19 viagens cruzeiro para o Extremo Oriente durante os combates na Coréia e levou milhares de soldados norte-americanos da Costa Oeste para os portos do Japão e Coréia.
Após o fim do conflito em julho de 1953, ele continuou a apoiar a prontidão americana no Extremo Oriente com rotação de tropas tipo cruzeiro durante o restante de 1953 até 1954. Foi colocado na Redução Operacional Status, em 1955, e transferido para a Administração Marítima em 1° de outubro de 1958 e logo entrou para a Defesa Nacional Reserve Fleet, lá permanecendo inoperante. A empresa que o guardava foi extinta e outra empresa de nome Murphy Pacific Marine Salvag foi contratada para rebocar o navio à San Francisco (Califórnia).
O Superintendente da Marinha de Salvamento foi nomeado para esse serviço, utilizando-se de uma embarcação de transporte para rebocamento, o USNS (T-ARS-34). O navio USS Gen. Meigs foi engatado e começou seu translado. Em 9 de janeiro de 1972, quando esta embarcação alcançou o Oceano Pacífico, a oeste de Cabo Flattery, ocorreu uma tempestade e a força dos ventos agitou o mar fazendo com que os cabos rompessem e o navio USS Gen. Meigs fosse atirado contra os rochedos da encosta, partindo-se ao meio, sem emborcar, ficando ali travado nas rochas.
Gen. Meigs atirado contra os rochedos. 
A tripulação do rebocador tentou definir outra amarra para remoção, mas devido à tempestade foram incapazes de cumprir a tarefa. Ao amanhecer, a Guarda Costeira americana enviou um helicóptero de Port Angeles para o local tentando colocar o pessoal de salvamento a bordo a fim de libertar o navio, mas foi em vão. 
Ele transportava 19 tanques de combustível que variavam de 8.000 a 22.000 litros. O navio deixou o Estaleiro Puget Sound Naval com um pequeno rebocador do porto da Marinha, com numerosos botes salva-vidas de aço e vários tambores de solventes a bordo amarrados no convés. Estima-se que aproximadamente 116 mil galões de óleo combustível, ou 16 por cento da capacidade do navio permaneceu nos seus 19 tanques. Antes deste acidente, era uma prática comum se deixar um pouco de óleo nos tanques de combustível para inibir a corrosão quando um navio fosse colocado em estado de reserva. Cerca de 500 galões de óleo combustível foram derramados na água quando o navio se partiu em duas partes. Outros 500 galões foram derramados nos seis meses depois, continuando sem interrupção o que provavelmente se esgotou com o tempo. O navio continuou à deriva, encalhado em uma borda rochosa próxima a sul de Portage Head (Costa americana no Pacífico).

Especificações do AP-116:
  1. Comprimento:189,7 m
  2. Boca(largura):23 m
  3. Calado:7.8 m
  4. Peso vazio:11.450 toneladas
  5. Peso com carga:20.175 toneladas
  6. Capacidade maxima  para guerra:6.800 homens, 363 cabines para oficiais
  7. Tripulação: 465
  8. Motor:duas turbinas Delaval de 17.000 hp cada um.
  9. Velocidade:20.6 nós (aproximadamente: 38 Km/h
  10. Armamento:
  11. 4 canhões de 127 mm
  12. Bateria de de 4 canhões de 28 mm
  13. 20 canhões de 20 mm
Pesquisa: 
Ivo Kretzer de Jaraguá do Sul
wikipédia
Portal FEB

Nenhum comentário:

Postar um comentário