sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Sargento Zeferino Crepaldi da F.E.B


 HONRAS MERECIDAS.
O sargento Crepaldi a direita com a Medalha Silver Star
O general Mark Clark condecorando o sargento da FEB.
O Sargento Zeferino Crepaldi, um paulista de Itapira, foi condecorado com a Silver Star pelo
próprio General Mark Clark, comandante do 15º Grupo de Exército devido a prova dada de
autêntica bravura em uma das patrulhas que participara. Vamos aos fatos
Em 23 de março de 1945, a noite, partiu uma patrulha da qual fazia parte o Terceiro
Sargento Crepaldi. Quando chegou próximo ao destino, a referida patrulha foi por tiros de
metralhadoras e granadas de mão, ficando sob ameaça de ser envolvida! Ao ver seis dos
seus homens feridos e seu grupo correndo um risco muito alto. O Sargento Crepaldi não
pensou em abandonar a posição: socorrendo aos feridos , atraiu para si o fogo inimigo e com
a ajuda de um cabo e dois soldados, protegeu a retirada dos feridos. Apesar da forte barragem
que o inimigo formava, conseguiu abrigar-se com os homens que restaram e atravessaram
essa barreira em um momento oportuno ; o bravo sargento guiou seus comanados até vê-
los a salvo. Mas Crepaldi notou a falta do Cabo, negou-se a regressar ; permaneceu até a
madrugada na terra de ninguém, muito próximo ás posições inimigas, vasculhando cada
centímetro do terreno á busca do companheiro desaparecido. Apesar de seus esforços,
Crepaldi não conseguiu encontrar o Cabo, então, retornou às suas linhas.
Medalha Estrela de Prata  dos Estados Unidos da América.
Terceira medalha em valor, concedida a combatentes.
“Por ter, no comando da patrulha, apesar de ser ameaçado de envolvimento, ter feito 3
prisioneiros de uma unidade até então desconhecida nesse frente de luta, localizado as
posições inimigas demonstrando assim bravura, sangue frio, iniciativa, espírito de sacrifício e
elevada noção de responsabilidade no cumprimento do dever, faz jus a essa distinção”
( Palavras do General Mark Clark)

Matéria do colaborador do blog Hélio Guerrero

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

FILME OS HERÓIS - O Brasil na Segunda Guerra.

Filme do diretor Guto Aeraphe conta a história de três heróis mineiros que perderam a vida na 2ª Guerra Mundial
O cenário são as colinas da região da Emília-Romanha, na Itália. Data: 14 e 15 de abril de 1945, quando a cidade de Montese foi palco de confronto entre combatentes da Força Expedicionária Brasileira (FEB) e soldados alemães durante a Segunda Guerra Mundial. O objetivo era conquistar a cidade italiana, então tomada pelas forças nazistas. O sucesso da missão, que contribuiu para o fim do conflito, deve-se à bravura dos brasileiros, abrilhantada pela heróica atuação de três mineiros que até então jamais haviam pegado em armas.
Filme em cinco episódios:

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Luvas usadas no inverno pela F.E.B.

Duas das luvas utilizadas pelos pracinhas da FEB no rigoroso inverno Italiano de fabricação americana.
Luva de fabricação americana para temperaturas abaixo de zero no rigoroso inverno de 1944 usadas pela FEB.O nome oficial deste modelo é wool / leather gloves palm ou seja luvas de lã com palmas de couro.
(acervo O Resgate FEB)

(clique na foto para ampliar)

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

PATACH 5º EXERCITO US - inacabado.

Patach do 5º Exercito Americano feito na Itália, inacabado.(raro)
¨No mercado de numismática, para quem coleciona provas e erros de cunho, as peças inacabadas são consideradas mais valiosas, face a sua raridade.¨(Brenoz HMMB)


(acervo O Resgate FEB) 
Clique na foto para ampliar
HISTÓRICO
O Quinto Exército dos Estados Unidos foi uma das principais formações do exército USA no Mediterrâneo durante a Segunda Guerra mundial. Foi ativado em 5 de janeiro de 1943 em Qujida, Marrocos Francês e responsável pela defesa da Argélia e Marrocos. Também foi dada a responsabilidade pelo planejamento da parte americana da invasão do continente Italiano. Era comandado pelo Tenente General Mark W. Clark. O Quinto Exército não só se tornou  o primeiro exército americano para iniciar a luta no continente europeu na Segunda Guerra , mas também e o primeiro a ganhar uma batalha  no continente  e os primeiros a libertar uma capital européia.A chegada dos brasileiros foi uma boa notícia para o General Mark Clark que precisava de reforços na Itália. A FEB se junta ao Quinto Exército ao qual estaria subordinada e ao 8º Exército Britânico que em suas fileiras reunia canadenses, sul africanos e indianos .Ao lado desses , também estavam membros da Resistência francesa, marroquinos e os partisans italianos (guerrilheiros antifacistas). Assim os brasileiros se juntavam aos exércitos de diferentes nações no esforço de guerra contra o nazismo.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Half TracK - F.E.B


Na Segunda Guerra Mundial os Estados Unidos precisavam dos meia largata para preencher várias funções, tais como transporte de tropas, mantimentos, veículo de reconhecimento, veículo de comando de comunicações, juntamente com a de defesa antiaérea. Alguns também foram utilizados como ambulâncias de campo da Cruz Vermelha.
Em 1940, White Motor Company iniciou a produção do half-track. Os Estados Unidos e Forças Armadas estavam a procura de um veículo que não teria nenhum problema em passar pelo terreno difícil, ainda tendo a mobilidade de um carro. O Half Track tinha um motor poderoso, um AX 160, 6 cilindros, 4 tempos a gasolina. Seu peso total  de combate de 10 toneladas. Sua blindagem varia de espessura, de meia polegada para uma polegada de espessura. Sua velocidade máxima era de 45 quilômetros por hora, com um alcance de 200 milhas com um tanque cheio de gasolina. Seu armamento era geralmente um metralhadora calibre 2,50, junto com uma metralhadora calibre M -19,30. Outras formas de armamento poderiam ser adicionados.
Vista da fachada do Museu Cap Pitaluga com Half Track usado pela FEB na Itália.
Monumento Praça Força Expedicionária Brasileira do 1º Regimento de Cavalaria Mecanizado (Itaqui RS)
Half Track a direita e M 8 veteranos da FEB.
Half Track de um colecionador de Brasília
Half Track usado pela FEB



O M-3 era capaz de transportar um total de 13 passageiros, incluindo o motorista.A FEB na Segunda Guerra operou cinco M 3 meia largata nos modelos M3 e M3A1 usado no transporte de cargas e soldados.O Half Track se carateriza por possuir rodas com peneus na sua parte dianteira e largata na parte traseira por isto o nome meia largata.
O M 3 Half Track FEB  em ação na Itália.
Em combate o M 3 tinha uma proteção razoável com armamentos de pequenas armas de fogo. Mecanicamente era simples de trabalhar, juntamente com grande confiabilidade.Possuía uma carroceria mais larga uma porta traseira central, um suporte fixo logo atrás dos dois bancos para a metralhadora 50 e cinco assentos para a tropa em cada lateral e atrás alem dos tanques de combustíveis diversas porta fuzis uma caracteristica é  que sua lateral e totalmente lisa.
Com a criação do Corpo Expedicionário que iria lutar ao lado dos aliados na campanha na Itália em 1944/1945 com o nome de Força Expedicionária Brasileira o 1º Regimento de Reconhecimento irá operar cinco destes veículos  modelos  M 3 é M 3 A1, usados no transporte de carga e pessoal recebidos lá e sem dúvida uma grande novidade. Sendo que apenas três se mantiveram operacionais ao longo da guerra (dois M 3 e um M3 A1) designados Transporte de Rolamento Misto 1/2 largata.

Pesquisa: Expedito Carlos Stephani Bastos.(UFJF-MG)
Ilustração Henrique Moura