quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Correspondentes de Guerra do Brasil na Segunda Guerra

A Segunda Guerra Mundial foi, sem dúvida, o episódio histórico que teve a maior e mais ampla cobertura dos órgãos de informação: correspondentes de guerra, cinegrafistas, desenhistas, cronistas e escritores participaram e acompanharam todo o conflito, e tudo isso resultou num acervo incalculável de informações escritas e visuais.
Esse setor estava previsto na organização da FEB, só que a seleção e a escolha inicial de quem iriam acompanhar as tropas não coube ao Exército e sim ao DIP – Departamento de Imprensa e Propaganda – órgão do governo que controlava todos os meios de comunicação. Através dele o governo manipulava a opinião pública em favor de seus interesses políticos.
Os mais importantes jornais do país começaram a apresentar ao DIP os nomes daqueles que seriam os futuros correspondentes de guerra. Nem todos os jornais foram escolhidos, nem todos foram aceitos.

Em pé: da Esquerda p/ direita: Rubem Braga, do Diário Carioca; Frank Norall, da Coordenação de Assuntos Interamericanos; Thassilo Mitke, da Agência Nacional; henryBagley, da Associated Press; Raul Brandão, do Correio da Manhã, e Horácio Gusmão Coelho, fotografo da FEB. Abaixados: Allan Fisher (autor da foto), fotografo da Coordenação de Assuntos Interamericanos; Joel Silveira, dos Diários Associados; Egydio Squeff, de O Globo e Fernando Stamatoi, cineastra.
Um jovem jornalista que escrevia no Correio da Manhã e no futuro teria destacado papel na política do país, apesar de insistir no seu credenciamento, não conseguiu: o jornalista Carlos Lacerda.
Após o processo de escolha, evidentemente político, embarcaram para à Itália como correspondentes de guerra:Rubem Braga do Diário Carioca,Rui Brandão do Correio da Manhã,José Carlos Leite e Joel Silveira dos Diários Associados,Egídio Squeff de O Globo.
A Agência Nacional, órgão governamental, enviou:Thassilo Campos Mitke e Horácio Gusmão Sobrinho, como repórteres,Fernando Stamato Sílvio da Fonseca e Adalberto Cunha como cinegrafistas.
Outros membros da imprensa também estiveram na Itália:Carlos Alberto Dunshee de Abranches do Jornal do Brasil;Sílvia Bittencourt, a jornalista e cronista – esposa do diretor do Correio da Manhã -, que escreveu sob o pseudônimo de ‘Majoy’. Ela foi a única mulher brasileira que atuou como correspondente de guerra e sua permanência na Itália foi breve.
Para melhor compreensão do que foi a luta dos nossos pracinhas, deve-se preliminarmente afirmar que a carência de recursos humanos na frente italiana depois da transferência de experientes tropas para o sul da França e o imperativo de nossa permanência na frente de combate impôs-se operações difíceis, em terreno e clima ingratos, e, não raro, com mínimas possibilidades de êxito.
Sempre em ação guarnecendo setores acima das possibilidades de seus meios, jamais atacando com a Divisão inteira na potencialidade de seus 3 Regimentos de Infantaria, antes fazendo prodígios, conseguindo dispor de atacantes com o sacrifício e o risco dos defensores, o comando brasileiro não se poderiam permitir veleidades de brilho operacional, e teria de ser o que foi: bom senso antes, equilíbrio e poupança sempre, nunca bonapartismo e aventura.
O êxito de homens como Joel Silveira, Rubem Braga, Egydio Squeff, José Barreto Leite e Raul Brandão resultou, assim, tão-somente, de seu talento jornalístico e literário, de sua sensibilidade e de seu valor humano, e, acima de tudo, da total consagração à causa por que lutávamos. Em verdade, foram mais cronistas do que correspondentes de guerra.
Há que dizer-se, ainda, que o noticiário de guerra é sempre mais farto na guerra de movimento, quando há avanços significativos a assinalar, desbordamentos e cercos, quedas de cidades, grande número de prisioneiros, situações em que geralmente não é tão penosa a vida do combatente. Ao contrário, quando as frentes se estabilizam e não andam, diante de posições fortificadas, nos entreveros das patrulhas de combate, geralmente não há notícias a publicar nos jornais. E, no entanto, o dever bem cumprido no posto defensivo, que ninguém sequer veio a saber, ou o sacrifício do avião bombardeiro, atingido em silêncio, no fragor dos arrebentamentos de suas próprias bombas, pode ter feito pela causa comum o mesmo que o espetacular avanço de uma coluna blindada.
Daí o dizer-se que, a Campanha da Itália, sobre ser uma guerra de montanha, foi uma guerra de Sargentos, de Tenentes e de Capitães. E daí ter sido o soldado, o nosso querido e anônimo pracinha, o seu herói maior.
Também uma palavra preliminar sobre o direto acompanhamento das operações pela nossa imprensa, no trabalho de seus correspondentes de guerra. Para melhor compreender sua atuação é preciso ter em vista, além das limitações já assinaladas, que não tínhamos qualquer experiência nesse tipo de função, para a qual ninguém se prepara antecipadamente, e que, por outro lado, não havia, de parte de nossas tropas, a necessária capacidade para integrar, os correspondentes ao conjunto, corno se eles também fossem combatentes.
Matéria :Ecos da Segunda Guerra.

6 comentários:

  1. Palavras do dono dos Diários Associados cujo o nome falta agora ao correspondente Joel Silveira:
    - Senhor Joel, me faça um favor de ordem pessoal: Vá para a Guerra mas não morra. Repórter não foi feito para morrer, mas sim para mandar notícias!"

    ResponderExcluir
  2. Rubens Braga foi vítima de um acidente de jipe, mas não se feriu muito e mais tarde também levou um tiro na mão. Foi hospitalizado, medicado, mas fugiu do hospital e da burocracia que seria para lhe darem alta!

    ResponderExcluir
  3. Fato curioso:
    Na farda do correspondentes havia um "C" bem grande e o que fazia com que os menos graduados os confundissem com um capitão e prestavam-lhe continência que muito sem jeito no principio respondiam. O cabo Adão, motorista de Joel Silveira por várias oportunidades, ainda insistia em chamá-lo assim. Terminada a guerra o motorista perguntou:
    - Para onde o senhor quer ir capitão.
    Resposta de Joel :
    -Capitão é a mãe. Toca pra frente.
    -O senhor tem certeza? Pergunta Adão.
    - Senhor também é a mãe!
    - Como devo chamá-lo então ?
    - De Joel. Meu nome é Joel
    Ainda insiste o motorista:
    - O capitão é que sabe.... mas depois de tanto tempo vai ser didicil chamálo de outro jeito!

    ResponderExcluir
  4. Beleza Hélio com seus complementos e curiosidades,obrigado por enriquecer com as histórias e memórias da FEB. abraço.
    Henrique Moura

    ResponderExcluir
  5. De nada, Henrique !!!

    É sempre um prazer colaborar!

    Abraços

    ResponderExcluir